domingo, 6 de julho de 2008

Eis a questão

por Adriana Costa Tourinho

Especismo, nas palavras de Tom Regan:

Especiecismo é análogo a outros preconceitos morais. Racismo, por exemplo. Racistas pensam que membros de sua raça são superiores aos membros de todas as outras raças apenas porque eles (mas não outros) pertencem à raça superior. Especiecistas pensam que membros de nossa espécie são superiores a todas as outras espécies apenas porque nós (mas não outros) pertencemos à raça superior. Entretanto, assim como não há raça superior, não há também nenhuma espécie superior. A crença do especiecista não é menos preconceito que a crença do racista.

Somos todos animais, mas esquecemo-nos disso quando nos colocamos ao lado de qualquer outra espécime. A suposta superioridade humana, fundada na razão, desarmoniza a própria funcionalidade do raciocínio. Cerceamos a liberdade e o direito à vida desses outros animais justificados na necessidade civil do homem de compor a terra, de fazer ciência e cultura. Estamos muito mal acostumados. Aprendemos a fechar os olhos para as crueldades e matanças que acontecem diariamente, aceitando e repassando justificativas evasivas como resposta.

Não acredito em verdades absolutas e nem tenho resposta para todos os questionamentos sobre a relação animal humano X animais não-humanos. Acredito, contudo, que a resposta sobre o fim do sofrimento desses seres esteja em nós.

Pensar e agir de forma a não sustentar a crueldade e a matança dos outros animais é difícil por estarmos acostumados a conviver com isso, mas não é impossível e nem tarde para mudarmos. Questionar-se, esse é o primeiro passo da mudança. Defender ou não os animais não-humanos é só conseqüência da sua forma de pensar.

Nenhum comentário: