domingo, 23 de novembro de 2008

Cães abandonados

Amigos para uns. Inimigos para a maioria. Acuados e maltratados, assim são os cães abandonados nas ruas, obrigados a suportar a maldade humana diariamente. “Mazelento”, um adjetivo que parece, por muitos, ser o melhor qualificador desses cães, ao mesmo tempo, ironicamente, serve como um adjetivo para a nossa sociedade.
Maltratam-se os cães. Há muita falta de paciência com as necessidades físicas, biológicas e psíquicas seja de um filhote ou de um cão adulto. A violência começa em casa e, dentre esses maltratados, os que, porventura, são abandonados nas ruas também continuam sendo maltratados no dia-a-dia.
O desamparo aos cães, seja em área rural ou urbana, com lar ou sem, é fato. Os atos de crueldade são praticados comumente por nossa sociedade contra eles. São atos que vão desde chutes a atos como espancamentos com seqüelas graves e irreversíveis, chegando a casos que resultam em morte, praticados tanto contra cães de raça, quanto sem raça, aos que têm lar ou estão abandonados nas ruas. Essas agressões são praticadas por crianças, jovens, adultos e idosos, ricos e pobres de todas as raças e nacionalidades.
Maltratar animais não-humanos é crime, previsto na lei 9.605, de 12 de fevereiro de 1998:


Art. 32. Praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos:

Pena - detenção, de três meses a um ano, e multa.

§ 1º Incorre nas mesmas penas quem realiza experiência dolorosa ou cruel em animal vivo, ainda que para fins didáticos ou científicos, quando existirem recursos alternativos.

§ 2º A pena é aumentada de um sexto a um terço, se ocorre morte do animal.

¨ ¨ ¨


"Não permitas que ninguém negligencie o peso de sua responsabilidade. Enquanto tantos animais continuam a ser maltratados, enquanto o lamento dos animais sedentos nos vagões de carga não sejam emudecidos, enquanto prevalecer tanta brutalidade em nosso matadouros... todos seremos culpados! Tudo o que tem vida tem valor como um ser vivo, como uma manifestação do mistério da Vida" , Albert Schweitzer (1875 - 1965) médico, teólogo, músico e filósofo alemão.

Nenhum comentário: