segunda-feira, 13 de abril de 2009

Em busca de uma sociedade mais justa para todos

Num país como o Brasil, onde a diferença entre classes sociais é muito acirrada, falar de direito dos animais e de como os nossos cães são mau tratados é motivo de chacota ou de descaso, afinal, se for para falar de abandono, melhor falar de crianças. Em busca de uma sociedade mais justa para todos, a educação é uma porta para melhorar a condição daqueles que se encontram abandonados no nosso país.

Nos anos 80, Eduardo Dusek cantava “troque o seu cachorro por uma criança pobre”. Infeliz canção que, infelizmente, faz jus ao pensamento de muita gente. Pensamento esse, porém, falacioso. É muito fácil dizer que a situação de pobreza no país requer mais atenção do que a situação dos animais abandonados nas ruas e, assim, recriminar quem defende esses últimos. Muitos que estão por detrás desse texto sabem muito bem o que significa a “arte de não fazer nada”. Mas, mais do que isso! Mal sabem eles, ou fingem não saber, que ambos, cão e criança abandonados, são o reflexo de uma sociedade sem educação.

Muitos cães encontram-se abandonados nas ruas de Salvador. Famintos, doentes e carentes, a maioria é composta de cães sem raça definida. Entregues à bondade de uns e aos maus tratos de outros, seguem como andarilhos urbanos, sem destino algum... A sociedade deveria se unir, exigindo por uma educação efetiva e eficaz, onde não só a noção de responsabilidade para com os cães seja absorvida, mas para com o planeta, a comunidade e si próprio.

O reflexo de uma sociedade de cães abandonados é o reflexo também de uma falta de educação e descaso com vidas, que, com certeza, continuará se refletindo nas crianças do nosso país. No fundo, a questão não é cão ou criança abandonado a ser adotado. O problema é a falta de discernimento do povo, falta de educação. Uns dizem que é o clima, outros a história de colonização do país. Eu simplesmente acho que é falta de educação + bom senso + amor.

Adoptar (òt) - v. tr. 1. Tomar por filho. 2. Escolher e seguir. 3. Perfilhar.

Nenhum comentário: