segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Cinzas de sonhos

Espirros. Além de expelir impurezas do nosso organismo, deveriam expelir nossos sonhos. Sonhos desvanecidos, esquecidos, impossíveis de se realizar. E que eles não respinguem, respondendo com maus modos. Crepitem e virem cinzas esquecidas.

domingo, 28 de agosto de 2011

Temos Estrelas

Infelizmente, nem sempre o time para o qual torcemos vence. Às vezes, ele empata, ou, muito pior, perde. Quando há uma sequência de maus resultados, assumimos (nós torcedores) a postura de torcer (+ -)dor. É uma dor que não é física, mas que dá muita dor de cabeça. Temos que aturar torcidas rivais, além da própria incógnita de como o seu time vai oscilar num campeonato.
Um time quando não vai bem, normalmente provoca a desilusão quanto a uma possível melhora. Ou não. Eu torço por um time que teve momentos de glórias e de derrotas. Esteve inconspícuo durante uns anos, mas reergueu-se.
Torcemos quando é e porque é vitorioso. Silenciamos quando não o é. Da boca para fora. Por dentro, há um sussurro de vozes indignadas e apaixonadas. Não, não nos rendemos à derrota. Damos a volta tortuosa no coração e de lá arrancamos, mais uma vez, o grito de torcida. E assim, torcemos para que o time se desdobre e siga na direção de mais estrelas, porque duas já lhe estão brilhando no peito.