sexta-feira, 19 de outubro de 2012

terça-feira, 16 de outubro de 2012

Sinto muito, sim.

Eu aceito "amenizar" o meu lado sentimental com relação a um cão internado, até certo ponto.
7 dias dentro de uma gaiola, um cão de porte médio, sem saber quantos mais dias ficará internado? E quando no quadro clínico há uma melhora, o que fazer? Se tiramos o cão da clínica, assumimos o risco dele vir a piorar. Se o deixamos na clínica, também não? O lado sentimental desses outros animais também não conta? Esse "decidir com a razão" e não com o lado sentimental que tanto os médicos de humanos, quanto os das demais espécies falam, tem sim um limite. Sinto muito, mas meu cão volta pra casa.

 
Espaço onde Touro tem ficado na clínica. Nós levamos uma almofada.

Ass.: Meu lado sentimental

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Espero



Realidade, que quadro impiedoso, impetuoso está a pintar.
Manifesta na dor alheia, minha dor, ensaia um acto final que não há de vingar. Esperança, esta sim, transborda pelos corações que se silenciam, ensurdeça-nos no seu ritmo. Peça colo, um abraço, de uma nova realidade que há de se pronunciar.

Amor incondicional

Amar incondicionalmente,
de forma absoluta,
completa 
um amável coração.
Incondicionalmente amar,
em condições imperativas.
Impetuosamente,
o coração vivaz.
Necessário mais de um coração para segurar tanto amor.
Itacimirim / BA - Foto: Adriana Costa Tourinho

domingo, 14 de outubro de 2012

Intensidade

Restando-me flores no final, que sejam rosas vermelhas vivas.

Desaproximar é preciso!

Foto: Adriana Costa Tourinho
O pior da vida é quando damos importância às coisas e pessoas que não valem a pena. As coisas são fáceis de serem descartadas, basta darmo-nos conta da sua falta de importância e termos um lixo por perto. As pessoas, não. Há todo um processo de desaproximação. Há um certo receio, misturado com um certo alívio, e por isso, ainda que expressa uma latente dúvida lá no fundo, esta quando vem à tona, vem com a certeza de que desaproximar é preciso.