segunda-feira, 8 de julho de 2013

Quando estou só reconheço
Se por momentos me esqueço
Que existo entre outros que são
Como eu sós, salvo que estão
Alheados desde o começo.
E se sinto quanto estou
Verdadeiramente só,
Sinto-me livre mas triste.
Vou livre para onde vou,
Mas onde vou nada existe.
Creio contudo que a vida
Devidamente entendida
É toda assim, toda assim.
Por isso passo por mim
Como por coisa esquecida.

9-8-1931. Novas Poesias Inéditas. Fernando Pessoa. (Direcção, recolha e notas de Maria do Rosário Marques Sabino e Adelaide Maria Monteiro Sereno.) Lisboa: Ática, 1973 (4ª ed. 1993). - 67. http://multipessoa.net/


domingo, 7 de julho de 2013

quarta-feira, 3 de julho de 2013

Denuncie o tráfico de animais silvestres!

"O ministério diz que a resolução é para 'fortalecer o controle e a guarda provisória de espécies da fauna silvestre apreendidos,'" (http://migre.me/fimQa).

Na verdade, a resolução facilita o tráfico de animais e fomenta o seu mercado: legalizam a posse do animal silvestre, e, indiretamente, acabam por sustentar a compra ilegal. "Assim, se o governo reconhecer que não tem condições de receber e manter os animais, ele pode agora conceder a posse a posse a terceiros, voluntários, ou permitir que interessados tomem conta dos espécimes apreendidas - mesmo que de forma ilegal -, por tempo indeterminado, desde que dentro do limite de 10 bichos por CPF e endereço" (http://migre.me/fin3w).

Não podemos nunca esquecer que o tráfico de animais silvestres é crime. É o terceiro maior negócio ilegal do mundo, ficando atrás apenas do tráfico de drogas e armas. A resolução em nada melhora a campanha contra o tráfico, e expressa, assim, um retrocesso, desnecessário. Não compre. Denuncie o tráfico - Linha Verde 0800-61-8080, a ligação é gratuita de qualquer ponto do país. A denúncia pode ser realizada, também, no site da RENCTAS - www.renctas.org.br.



Adriana Tourinho




Tráfico de araras-vermelhas / Foto: Mauricio HerreraAdicionar legenda