segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

George Stinney

George Stinney ( (21 de outubro de 1929 – 16 de junho de 1944), foi julgado, condenado e executado em apenas 83 dias após o assassinato de Betty June Binnicker, 11, e Mary Emma Thames, 7. Mais tarde, verificou-se que uma barra de ferro, arma do crime, pesava mais de vinte libras (9,07 kg) e que era altamente improvável que Stinney, um garoto de apenas 43 quilos, fosse capaz de erguer esse peso ainda mais para golpear e matar as duas meninas.

Departamento de Arquivos e História da Carolina do Sul/Reuters

Em 16 de junho de 1944, George Stinney foi executado no complexo correcional de Columbia (Carolina do Sul). Às 19:30 da tarde, Stinney caminhou até a cadeira elétrica com a bíblia debaixo do braço.

Em 17 de dezembro de 2014, 70 anos depois de sua execução, a justiça reconsiderou o caso, por meio da juíza Carmen Mullins, que anulou a condenação de George Stinney, inocentando-o do crime.

Ele foi a pessoa mais jovem a enfrentar a execução, no Estados Unidos no século XX. Sob as leis da Carolina do Sul, todas as pessoas com idade superior a 14 anos eram e ainda são tratados como um adulto. 

Fonte: Wikipédia

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Bostanaro

Bolsonaro comporta-se como se estivesse falando piadinhas pesadas - tão rechaçadas hoje em dia - num bar. Um apolítico com  vibe de "garotão escrotão",  com um monte de seguidores... Claro, um exemplo de honestidade para uns 70 mil e mais, um respondão que tem ideias "fantásticas" como a do requisito obrigatório para estupradores de tratamento químico (hail!). Que jamais pedirá desculpas a ninguém. Um verdadeiro herói nacional que emerge da suja política brasileira de mãos limpas e cara lavada: que venha a tortura, que volte a ditadura. E todos seguem aplaudindo eufóricos a aberração política, da mesa do bar.

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

Sei...

Então, divagando, 'todo mundo' (universo masculino e feminino) concorda agora que mulheres que usam roupas que "mostram o corpo" não merecem ser 'estupradas', né? Cartazes "não mereço ser estuprada" a parte,  criticar pode ainda? "Vai pra onde com essa saia curta?" "E esse decote aí?" "Sensualizando de noite?" "Vulgar demais sair assim, eu não uso..." Só observo, porque a realidade me parece outra.

domingo, 23 de novembro de 2014

Segundona

O Brasil já foi o país do futebol. 'País do futebol', hoje, é a Alemanha, que tem investido no esporte. É triste ver o 1o campeão brasileiro ir novamente para a 2a divisão. Triste pra quem é torcedor do time e para quem gosta do futebol brasileiro. Sei que muita gente vai se manifestar ou pensar em se manifestar nesse post sacaneando o Bahia. Sacaneiem o futebol brasileiro, que vive da fama de ser o melhor futebol do mundo, vangloriando-se apenas daqueles jogadores que têm estrela própria, longe de ter um investimento no esporte como a Alemenha tem feito. Como não olhar para fora com brilho no olhar e não perder esse brilho para com o Brasil? Estamos sempre, em tudo, lutando pra não ir pra "segundona", e nem sempre conseguimos.

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Ficção real

Lendo e "linkando" pra lá e pra cá, juntei duas leituras e o resultado ficou interessante, parecendo um diálogo real: 

 - Os sacrifícios de animais por religiões afro-brasileiras não contrariam as leis que asseguram aos animais o direito ao bem-estar e vedam a crueldade e maus-tratos; pelo contrário, entendem os mesmos como sagrados e dignos de respeito, trecho do artigo publicado por Malú Flávia Amorim .

- Religiões organizadas, que colocam a humanidade no centro de algum plano divino, parecem ser um afronta à nossa dignidade e à nossa inteligência, palavras de Lawrence M. Krauss.   

terça-feira, 16 de setembro de 2014

Ainda pulsa

O pulso ainda pulsa. Peste bubônica, câncer, pneumonia, raiva, rubéola, tuberculose, anemia. Rancor, cisticercose, caxumba, difteria; encefalite, faringite, gripe, leucemia. O pulso ainda pulsa. Hepatite, escarlatina, estupidez, paralisia; toxoplasmose, sarampo, esquizofrenia. Úlcera, trombose, coqueluche, hipocondria. Sífilis, ciúmes, asma, cleptomania. O corpo ainda é pouco. Reumatismo, raquitismo, cistite, disritmia; hérnia, pediculose, tétano, hipocrisia. Brucelose, febre, tifoide, arteriosclerose, miopia. Catapora, culpa, cárie, câimbra, lepra, afasia. E o pulso ainda pulsa.

Titãs

Religiosamente gays

O ser humano nasce sem religião ou nasce crendo, por exemplo, na teoria da prosperidade? Nesse sentido, como fica a tese de Silas Malafaia de que "homossexualismo é comportamental e não determinado pela genética do indivíduo"? Haveria diferença do que é ser um ser religioso ou homossexual, na visão de Silas Malafaia, ou são iguais?

Ele também ressalva que não vê problema com os homossexuais e sim com o ativismo gay. Não atuaria o ativismo gay, então, na linha "comportamental de pensar", como os religiosos? Silas, quando questionado sobre os seus valores e interpretações bíblicas, não diz estar sendo atacado por preconceituosos religiosos?

Então, ao falar sobre a homossexualidade, evoca a sua liberdade religiosa para declarar uma opinião, uma convicção sobre algo. Já o ativismo gay não pode nada porque querem impor um comportamento. E a interpretação bíblica e religiosidade querem o que? Definir o comportamento humano não, né, apenas dizer a vontade de deus.

Então nascemos sob a vontade de deus, esperando aprender a ler para interpretar a bíblia e viver à base de seus cultos e ensinamentos. Nascemos homem e mulher. Nascem cristãos, mas homossexuais não, ateus não. Porque tudo vai girar em torno da crença arcaica, de uma bíblia ultrapassada e de falastrões que querem impor a qualquer custo o seu sistema organizado de crenças, práticas e rituais, usando-se de um ser maior, imaginário para não haver debate.


Conclui-se, dentro da ótica 'comportamentalista homossexual', que tanto a religiosidade quanto a homossexualidade são iguais e diferentes ao mesmo tempo. Iguais, porque são comportamentos que podem ser redirecionados. Diferentes, porque o comportamento religioso vem para impor regras, discriminar posturas e ações, apontando pecados e incutindo o medo. Entendem por 'prosperidade' a obediência as leis de deus, com base num valor monetário. O 'comportamento homossexual' difere, uma vez que o seu ativismo está embasado na respeitabilidade, no reconhecimento de direitos civis e na liberdade de amar. 

sexta-feira, 11 de julho de 2014

Dez documentários que irão mudar suas ideias sobre alimentação

1. Muito além do Peso (Way Beyond Weight)
2. A Carne é Fraca
3. Terráqueos (Earthlings)
4. Forks over Knives (Garfos ao invés de Facas)
5. Meet the Truth – Uma Verdade Mais que Inconveniente
6. Food Matters (O Alimento é Importante)
7. Food Inc (Comida S/A)
8. Planeat
9. Hungry for Change (Faminto por Mudança)
10. Fat, Sick & Nearly Dead (Gordo, Doente & Quase Morto)

Fonte: Revista Forum        

Hermanos, menos no futebol

Já fui a Alemanha e muitos, quando sabiam que eu era brasileira, na época, falavam em "Ronaldo" e "Sepultura". Quando estive na Argentina, todos que falaram comigo demonstraram paixão pelo nosso país, principalmente praias e gente. E, só um, meu querido guia em Ushuaia, zoou com o futebol daqui, com os craques Neymar e Pelé; mas ouviu também e perdeu a chave quando eu falei que admirava muito o Messi. Sei que no fim demos muita risada. Essa rivalidade existe, por isso fica difícil torcer por eles, e, confesso não ter preferência pra campeão. Tinha, e era o Brasil.

*Considero existir a rivalidade justamente por não citarem o futebol brasileiro como referência.

segunda-feira, 26 de maio de 2014

Educar é preciso

Muita gente reclama de que o governo não investe em educação, mas não vejo ninguém reclamar da qualidade de ensino. Escola tem. Podem melhorar, sempre, em estrutura e qualidade de ensino, e cada vez mais escolas. 

Qualidade e compromisso com a educação. Deixar nas mãos daqueles que governam a culpa pela falta de educação do brasileiro é fácil. Mal-educados somos todos nós. A educação está aí, mas ninguém está aí para a educação. 
Boneca Blythe por Herzlichkeiten, via Flickr.

Art. 205. A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho. 

O artigo acima está previsto na Constituição Federal vigente, a qual chama a sociedade para participar, juntamente com governo, do incentivo e promoção da educação. Só que a nossa sociedade atual parece estar preocupada só em reclamar do governo, esquecendo-se da sua omissão perante uma educação mal administrada e absorvida ao longo das gerações e o que é pior, passada adiante.

Reclamam, mal-educados. Gritam, sem voz de mudança. A educação vem de berço, e o berço do brasileiro não é, nem nunca foi aquele famoso de ouro. Se não gostam do governo atual, merecem o governo que tem. De nada fizeram e muito menos fazem para mudar. Manifestar-se nas ruas é válido, exigindo por educação... Ideal mesmo é que seja com educação, sem jogar papel ou lata de cerveja no chão! Valores estão deturpados. Educar é preciso.


segunda-feira, 12 de maio de 2014

Fakebook

Vamos lá, etiqueta em Facebook. Solicitar amizade - você sabe que a pessoa não é sua amiga, é no mínimo "conhecida", a pessoa com "boa vontade" aceita o convite e o convite é desfeito, grosseria perfeita. Para quem não sabe, se fizer convite errado, confundir a pessoa com alguém ou clicar sem querer no "adicionar como amigos", existe a opção remover a solicitação. Mais educado, se é que se quer soar assim.

quinta-feira, 1 de maio de 2014

Ah, inconsequentes

Sempre achei o ser humano inconsequente nos seus atos para com o próximo. As pessoas se acham engraçadíssimas, até porque nunca é sério o que fazem/falam. O mais interessante é pensar que, no meio desse bafafá sobre a banana, há pessoas que teriam a mesma atitude ou pior numa torcida - ou fora dela, para com o próximo, principalmente aqui no Brasil. Que foi boa a reação brasileira a favor de Daniel Alves foi, quero acreditar que uns vão pensar antes de fazer algo similar, contudo, se, e tão somente se, interpretarem que o ato pode vir a ser a racista ou homofóbico ou simplesmente preconceituoso. Será que conseguem?! No Facebook mesmo, os comentários racistas sobre o Nordeste persistem. E sempre que se repetem, eu me pergunto, não leem o jornal, não veem na TV, não chegam a eles as manifestações contrárias ao racismo e que eles podem vir a responder seriamente pelo que escrevem? Essas pessoas levam a sério o botão do "fod@-se". Ótimo, mas arquem também com as consequências. Só sei que, no final das contas, batem no peito dizendo que são humanos, e são desumanos com o próximo e terminam com o "foi sem querer, falei brincando, não pensei na intensidade do que estão reclamando." 

quarta-feira, 30 de abril de 2014

Quero ser cremada

Vai minha lista pra cremação: 

Elvis - Suspicious Mind / Candlemass - "Somewhere In Nowhere" / MDB - The Crown of Sympathy / Black Sabbath - Warning / Deep Purple - Highway Star / Whitesnake - Ready an' Willing / Uriah Heep - Sweet Freedom / AC/DC - Jailbreak / Queen - Princes of the Universe / Metallica - Orion / Megadeth - In my darkest hour

Neymoney

E Neymar faz valer aquela máxima: falem de mim, bem ou mal, mas falem. Que proporção tomou um post, apagando uma grande sacada de Daniel Alves. Entre reclamações e aceites, uma chatice maior do que o beijo gay e uma discussão bem desprezível sobre macacos x humanos. Humanos estes que odeiam ser lembrados de que são animais, uns nem sabem até. Neymar, você vale todo o investimento que fazem em você, clapclap!

Pompas

O pensamento mais compartilhado na nossa sociedade, considerado correto por muitos, pode-se ver nesse tipo de comentário: "São paulino só é chamado de bambi pq pega pilha." Bem idiota: "porque pega pilha." Considero essa construção de raciocínio a mais imbecil que um ser humano pode ter, e é utilizada em várias situações, assustadoramente presente no inconsciente coletivo e verbalizada pompozamente por quem a arrota com suposta razão e soberania. Mude isso e muitas relações vão mudar na sociedade.

"Benzadeus"

 
Andando na rua onde moro, tinha uma senhora com um cachorrinho, quando ela viu Dexter começou a... rezar?! hahaha Eu: Calma, senhora, ele não morde não. E, ao permitir que Dexter chegasse perto, ele deu um cheiro no cangote do cachorrinho...

quarta-feira, 23 de abril de 2014

Mais listas

A primeira matéria "as 10 mais" foi muito massa, todo mundo quis fazer a sua lista, agora já deu! Estão tentando diversificar, mudando a quantidade, "os 26 mais," só que não funciona 'mais.' Mudem o disco, enjoou.

terça-feira, 15 de abril de 2014

Meu cão, Dexter


Passei um sufoco danado hoje! Dexter, com medo do caminhão de lixo, conseguiu sair das garras da coleira e "ganhou o mundo..." Pense numa pessoa em pânico, tentando manter a calma?! Foram os piores minutos que vivi esse ano! Consegui, chamando-o pelo nome, guiá-lo para um local, no qual ele teve momentos de glória com a liberdade provisória e com o meu pânico visível, lógico, até que consegui pegá-lo! Eu, tremendo feito vara verde, andando com ele até o carro e o safado, alegre, feliz e satisfeito, como se nada tivesse acontecido.


terça-feira, 1 de abril de 2014

Tenho mais raiva circulando no corpo do que sangue.

Zoofilia, diga não!

Vi alguns posts no meu feed de notícias do "Fakebook" comparando "beijo gay" ao beijo entre um ser humano e um cão. Não escrevo como indireta para amigos que compartilharam, mas não posso deixar passar em branco esse tipo de postagem. Primeiro, porque acho de uma comparação absurda. Gostem ou não da Rede Globo, ela tanto tem influência que dias depois do final da novela ainda era assunto no Facebook o tal beijo gay. E mesmo não tendo sido pioneira na cena, a outra emissora não conseguiu tanta repercussão. E, diga-se de passagem, quantos comentários absurdos em links compartilhados! Logo, mesmo que já aceito por muitos o beijo gay, muitos ainda não aceitam. Zoofilia enquadra-se perfeitamente como crime de maus-tratos a animais. Não compartilhem imagens com esse teor, muito menos conteúdo.

Português

Ao invés de baterem na tecla de diferença social X aprendizado da língua, deviam bater na tecla do bom ensino e escola para todos. E digo mais, toda essa discussão vai terminar é num livro com regras e normas a serem seguidas, usando um "vc" numa conversa via msn, ou "você" numa redação que exija a forma "culta". E o meu medo maior está no "vç," pq é o que mais vejo na internet a forma escrita "voçe."

sábado, 29 de março de 2014

Contos da praça

Hoje, uma senhora, com muita raiva, perguntou se Dexter era pitbull. Com certeza esperava um "sim"; quando eu disse não, ela virou a cara e saiu andando com o cão dela que, mais adiante, fez o "número 2" na rua e ela nem se "deu ao trabalho" de recolher... "Sou contra pitbulls e a favor de fezes caninas na rua," ela diria. Mas, e se Dexter fosse pitbull?

Todo dia perguntam para mim se Dexter é pitbull. Perguntam com semblante de espanto/medo/raiva, negando a sua presença ali. Vou fazer uma camisa dizendo: "Ele não é pitbull, mas, e se fosse?" Iam fazer o que, expulsar a gente da praça?

Respeitem as pessoas que andam com seus cães e os cães. Respeitem a raça pitbull. A praça é de todos.
E coloquem seus cães na coleira se têm medo de outras raças. São extremamente inconvenientes os escândalos que tenho presenciado.

#lovepitbulls #pitbulls


Eu visto essa camisa!


Fakebook

No Fakebook, você ter a sua opinião é sinônimo de animosidade, inimizade e novos amigos.

As ferramentas do Fakebook devem ser usadas sem a sua devida finalidade. Se você postar o que está pensando, compartilhar fotos/vídeos, fizer check-in, etc., você estará se expondo e agredindo a opinião alheia, contrária à sua.  

O Fakebook é uma rede social para divulgação de trabalhos, apenas. Quem fizer uso contrário a essa máxima, fará porque quer chamar a atenção, é solitário. 

O Fakebook reúne os que o usam e os que o usam pouco - não se expõem, diriam. E os famosos voyeurs virtuais. Esses são os que gostam de dar uma de psicólogo sobre a postagem alheia e se consideram superiores aos demais por não usarem o Fakebook. 

Há também aqueles que se irritam com tudo o que é publicado pelos "amigos" e, se duvidar, deixam de segui-los/excluem por qualquer bobagem. Criticam tudo o que é publicado com ironias e indiretas e comentários grosseiros.Também consideram-se superiores, detentores de verdades absolutas, apesar de serem democráticos e quererem um mundo melhor.

Imagem: mediabrasil.com.br



terça-feira, 4 de março de 2014

Palco do Rock 2014

Com muita satisfação participei da curadoria do Palco do Rock, em comemoração aos 20 anos de evento. Achei falha a seleção de bandas, contudo, reconheço a luta que é colocar um palco desse funcionando em Salvador, em pleno carnaval.
Até agora, os shows no Palco do Rock têm sido muito bons - com singelas, bizarras e desafinadas exceções, apesar da chuva forte e grande atraso no primeiro dia. E que chuva... Hoje, último dia, parece que não será diferente. O dia já amanheceu chovendo.

Trecho da apresentação da Headhunter D.C., ontem, debaixo de chuva: "Hail the Metal of Death!"