segunda-feira, 26 de maio de 2014

Educar é preciso

Muita gente reclama de que o governo não investe em educação, mas não vejo ninguém reclamar da qualidade de ensino. Escola tem. Podem melhorar, sempre, em estrutura e qualidade de ensino, e cada vez mais escolas. 

Qualidade e compromisso com a educação. Deixar nas mãos daqueles que governam a culpa pela falta de educação do brasileiro é fácil. Mal-educados somos todos nós. A educação está aí, mas ninguém está aí para a educação. 
Boneca Blythe por Herzlichkeiten, via Flickr.

Art. 205. A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho. 

O artigo acima está previsto na Constituição Federal vigente, a qual chama a sociedade para participar, juntamente com governo, do incentivo e promoção da educação. Só que a nossa sociedade atual parece estar preocupada só em reclamar do governo, esquecendo-se da sua omissão perante uma educação mal administrada e absorvida ao longo das gerações e o que é pior, passada adiante.

Reclamam, mal-educados. Gritam, sem voz de mudança. A educação vem de berço, e o berço do brasileiro não é, nem nunca foi aquele famoso de ouro. Se não gostam do governo atual, merecem o governo que tem. De nada fizeram e muito menos fazem para mudar. Manifestar-se nas ruas é válido, exigindo por educação... Ideal mesmo é que seja com educação, sem jogar papel ou lata de cerveja no chão! Valores estão deturpados. Educar é preciso.


segunda-feira, 12 de maio de 2014

Fakebook

Vamos lá, etiqueta em Facebook. Solicitar amizade - você sabe que a pessoa não é sua amiga, é no mínimo "conhecida", a pessoa com "boa vontade" aceita o convite e o convite é desfeito, grosseria perfeita. Para quem não sabe, se fizer convite errado, confundir a pessoa com alguém ou clicar sem querer no "adicionar como amigos", existe a opção remover a solicitação. Mais educado, se é que se quer soar assim.

quinta-feira, 1 de maio de 2014

Ah, inconsequentes

Sempre achei o ser humano inconsequente nos seus atos para com o próximo. As pessoas se acham engraçadíssimas, até porque nunca é sério o que fazem/falam. O mais interessante é pensar que, no meio desse bafafá sobre a banana, há pessoas que teriam a mesma atitude ou pior numa torcida - ou fora dela, para com o próximo, principalmente aqui no Brasil. Que foi boa a reação brasileira a favor de Daniel Alves foi, quero acreditar que uns vão pensar antes de fazer algo similar, contudo, se, e tão somente se, interpretarem que o ato pode vir a ser a racista ou homofóbico ou simplesmente preconceituoso. Será que conseguem?! No Facebook mesmo, os comentários racistas sobre o Nordeste persistem. E sempre que se repetem, eu me pergunto, não leem o jornal, não veem na TV, não chegam a eles as manifestações contrárias ao racismo e que eles podem vir a responder seriamente pelo que escrevem? Essas pessoas levam a sério o botão do "fod@-se". Ótimo, mas arquem também com as consequências. Só sei que, no final das contas, batem no peito dizendo que são humanos, e são desumanos com o próximo e terminam com o "foi sem querer, falei brincando, não pensei na intensidade do que estão reclamando."