terça-feira, 16 de setembro de 2014

Religiosamente gays

O ser humano nasce sem religião ou nasce crendo, por exemplo, na teoria da prosperidade? Nesse sentido, como fica a tese de Silas Malafaia de que "homossexualismo é comportamental e não determinado pela genética do indivíduo"? Haveria diferença do que é ser um ser religioso ou homossexual, na visão de Silas Malafaia, ou são iguais?

Ele também ressalva que não vê problema com os homossexuais e sim com o ativismo gay. Não atuaria o ativismo gay, então, na linha "comportamental de pensar", como os religiosos? Silas, quando questionado sobre os seus valores e interpretações bíblicas, não diz estar sendo atacado por preconceituosos religiosos?

Então, ao falar sobre a homossexualidade, evoca a sua liberdade religiosa para declarar uma opinião, uma convicção sobre algo. Já o ativismo gay não pode nada porque querem impor um comportamento. E a interpretação bíblica e religiosidade querem o que? Definir o comportamento humano não, né, apenas dizer a vontade de deus.

Então nascemos sob a vontade de deus, esperando aprender a ler para interpretar a bíblia e viver à base de seus cultos e ensinamentos. Nascemos homem e mulher. Nascem cristãos, mas homossexuais não, ateus não. Porque tudo vai girar em torno da crença arcaica, de uma bíblia ultrapassada e de falastrões que querem impor a qualquer custo o seu sistema organizado de crenças, práticas e rituais, usando-se de um ser maior, imaginário para não haver debate.


Conclui-se, dentro da ótica 'comportamentalista homossexual', que tanto a religiosidade quanto a homossexualidade são iguais e diferentes ao mesmo tempo. Iguais, porque são comportamentos que podem ser redirecionados. Diferentes, porque o comportamento religioso vem para impor regras, discriminar posturas e ações, apontando pecados e incutindo o medo. Entendem por 'prosperidade' a obediência as leis de deus, com base num valor monetário. O 'comportamento homossexual' difere, uma vez que o seu ativismo está embasado na respeitabilidade, no reconhecimento de direitos civis e na liberdade de amar. 

Nenhum comentário: